Abeto

A foto a baixo é o Acer

A arte do luthier em fazer instrumentos de corda inicia desde a escolha da madeira. Tende estar com fibras perpendicular paralelas sem distorções, quanto mais próxima com menos espessura permanece, devido a harmonização.
O Ácer é a madeira própria para o fundo, laterais e braço, sendo essa de média densidade, condutividade térmica 0,17 (W/mK), a velocidade do som gira em torno de 4.000 metros por segundo, sendo necessário usar inseticida específica, que melhora a acústica, prevenindo contra cupins, carunchos e oxidação.
O abeto é uma madeira insubstituível de magnífica acústica, por isso é usado no tampo, barra harmônica, tacos e contra faixas, sendo essa de baixa densidade, condutividade térmica 0,14 (W/mK), a velocidade do som gira em torno de 1.200 metros por segundo, fibras bem definidas, criada uma à cada ano, podendo ser avermelhada (macho) ou na cor da madeira (femea).
       
                                                   
 
Para fazer os tampos precisa escolher o comprimento da caixa acústica um modelo original e desenhar na medida correta. O fundo tem a bombatura milimetricamente mais baixo, iniciando no centro acústico a decadência proporcionalmente, próximo ao filete fazer o diafragma com profundidade de um a dois milímetros (membrana vibratória).
Após o termino dos bojos dar acabamento com raspadeira, é fundamental para o som e beleza do verniz porem as fibras permanecem ativas .
A qualidade do timbre necessita de muitas técnicas: cálculo proporcional, espessura precisa, pulmões, harmonização entre tampos e barra harmônica,  calibragem da alma, ajuste de cavalete etc....
Na cavidade dos tampos precisa fazer desenhos como se fossem ondas na superfície da água, atingida por um objeto, inicia com pequenos círculos que pela lei da física aumenta os raios e diminui o volume.

 

O filete mostra a habilidade de um luthier em entalhar, é uma das principais características do trabalho.
               Para um bom resultado usar filete de madeira , abrir o canal na medida exata e envergar com temperatura adequada. 
               Ele serve para dar resistência aos tampos, evitando rachaduras e dar harmonia na caixa acústica , por estar embutido em volta do diafragma.

                  
                   
 
               Alem da espessura do fundo e tampo é necessário harmonizar em hertz com o diapasão, ao bater com a polpa do dedo na madeira é possível obter sons muito breve, conforme desbasta o interior dos tampos os tons retrocede, quando estiver próximo da nota exata é necessário medir com freqüência o som e espessura para determinar o timbre. 
              O fundo por ser de media densidade fica na estimativa da nota Fa# 440 hertz. O tampo por ter a densidade baixa fica com a nota Re# 440 hertz, justificando a necessidade da barra harmônica para repor a terça que falta para dar harmonia com o fundo. Se usar as normas correta a caixa acústica após fechado fica com a nota Si 440 hertz.
              Requisitos necessário: pestana, comprimento de cordas, cavalete e alma precisa ajustar na proporção correta.

Ainda não há nenhum videoclipe